Irrigação por Aspersão: Saiba tudo sobre o principal método de irrigação

O método de irrigação por aspersão utiliza a simulação de uma chuva artificial para fornecer água à plantação. Fique por dentro de um dos sistemas mais utilizados no mundo inteiro!

A tecnologia no campo vem revolucionando o modelo de produção agrícola ao redor do mundo. Vivemos na era da agricultura de precisão, e claramente os modelos e sistemas de irrigação por aspersão não iriam ficar de fora dessa evolução.

A irrigação por aspersão surgiu no final do século 19, Charles Skinner, um agricultor de Troy, uma pequena cidade no estado de Ohio, Estados Unidos, foi o primeiro cidadão a receber uma patente para o sistema de irrigação por aspersão.

Desde a invenção do produtor Charles o modelo passou por diversas melhorias. Nesse post iremos explicar tudo sobre o modelo, passando pelos moldes de implementação, vantagens e desvantagens desse sistema. Se você quer ficar por dentro sobre irrigação por aspersão este artigo foi feito para você! Se você ainda está buscando o melhor método de irrigação recomendamos a leitura do nosso artigo Irrigação: o que considerar antes de escolher o melhor método?

O que é irrigação por aspersão?

“Irrigação por aspersão é o processo de se produzir sobre as plantas ou sobre o solo o fenômeno artificial da chuva,  através de um sistema pressurizado formado por dispositivos mecânicos e hidráulicos. “

Componentes do sistema de irrigação por aspersão:

Conjunto Motobomba

Será responsável por captar a água na fonte e fornecer para o as tubulações e aspersores. A maioria dos sistemas utiliza bombas centrífugas de eixo horizontal.

Tubulações

A tubulação irá conduzir a água da motobomba até os aspersores. Os materiais mais utilizados são: PVC rígido, aço galvanizado, aço zincado ou alumínio.

Aspersores

É a peça chave do sistema e será responsável por espalhar a água entre as plantas e irrigar a plantação.

Irrigação por aspersão convencional

O sistema convencional é o modelo mais básico de irrigação por aspersão. Ele consiste em aspersores que trabalham com o lançamento de jatos de água, que pela resistência do ar se transforma em pequenas partículas. Nesse sistema os aspersores estão sempre fixos durante a aplicação, mas podem girar no próprio eixo para uma maior distribuição.

Dentro desse modelo existem duas categorias de implementação: O portátil e o permanente. A principal característica do sistema portátil é a facilidade da movimentação do equipamento, conforme a necessidade de irrigação. Já o modelo permanente apresenta as tubulações fixas, por isso é necessário que o sistema cubra 100% da área irrigada.

A irrigação por aspersão convencional está presente em diversas plantações principalmente pela facilidade de implementação, flexibilidade e baixo custo de manutenção.

Irrigação por aspersão autopropelido

O sistema de irrigação por autopropelido consiste em apenas um aspersor, também chamado de canhão ou mini canhão. O equipamento é montado em veículo que se desloca paralelamente a região que deve ser irrigada.

O sistema lança um jato de água sobre a plantação ao mesmo tempo que se movimenta longitudinalmente, normalmente o movimento do carrinho é feito por um cabo de aço ou pela própria mangueira.

Irrigação por aspersão

A irrigação por aspersão autopropelido vem sendo cada vez menos usada ao redor do mundo. As principais desvantagens desse modelo estão diretamente ligadas a falta de controle da lâmina de água aplicada, desuniformidade na aplicação e altos custos operacionais com energia.

Irrigação por aspersão pivô central

É o sistema de irrigação por aspersão mais tecnológico e mais eficiente. A utilização da estrutura de pivô central facilitou a automatização do processo de ponta a ponta.

O modelo consiste de um pivô central, que é o ponto onde o pivô gira ao redor, onde passa a tubulação e onde fica o painel de controle, responsável por comandar o sistema. Os pivôs possuem aspersores espalhados pela estrutura e são responsáveis por levar a água até a plantação.

Os pivôs centrais giram em torno do ponto pivô, enquanto os aspersores realizam a irrigação, formando assim um padrão circular de aguagem. Normalmente são utilizados motores elétricos para gerar o movimento do sistema.

As maiores vantagens do sistema são: Aplicação precisa do volume de água, possibilidade da fertirrigação e baixo custo de mão de obra. Por outro lado é necessário um alto custo de implementação e um alto custo de energia.

Vantagens da irrigação por aspersão

  • Se adequa a quase todos os tipos de solo;
  • Pode ser adaptada para diversos tipos de topografia;
  • Pode ser móvel ou fixo;
  • Aplicação uniforme na plantação;
  • Pode ser utilizado juntamente com a fertirrigação;
  • Baixo risco de erosão ao solo.

Desvantagens da irrigação por aspersão

  • Custo de implementação alto;
  • Baixa eficiência em locais com fortes ventos;
  • Eficácia baixa em locais com altas temperaturas;
  • Necessidade de um fonte limpa e livre de resíduos de água.

Quer saber mais sobre esse e muitos outros assuntos do mundo do Agronegócio?

Acompanhe o blog Tecnologia no Campo.

Fique por dentro dos próximos Eventos do ramo.

2018-05-20T19:20:10+00:00 0 Comments

Leave A Comment