Raças de Gado: conheça os principais bovinos do Brasil

Dono do 2º maior rebanho do mundo, o Brasil é referência quando o assunto é pecuária. Seja de corte ou leiteiro, o gado brasileiro se destaca. Cruzamentos como o Girolando, que já tem até associação, foram criados em nosso país para explorar as vantagens de cada raça. Nesse post vamos mostrar as oito principais raças de gado do Brasil.

As 8 principais raças de gado existentes no Brasil são:

  1. Girolando
  2. Guzerá
  3. Holandês
  4. Nelore
  5. Senepol
  6. Charolês
  7. Sindi
  8. Gir Leiteiro

Saiba mais sobre algumas características desses bovinos nesse post.

Girolando

Mesmo considerando todas as raças de gado, o holandês é referência na produção de leite. No entanto, por se tratar de um gado europeu, não se dá muito bem com alguns estados mais quentes, como os do nordeste brasileiro.

O gado Gir chegou ao Brasil em 1911 e rapidamente se espalhou por sua rusticidade e rendimento de carcaça. O animal era destaque nos frigoríficos, mas logo perdeu espaço com a chegada do gado nelore. Em 1960, proprietários começaram a fazer a seleção das melhores matrizes leiteiras. Começava assim a história do Gir Leiteiro.

O cruzamento das duas raças se intensificou com o programa PROCRUZA do Ministério da Agricultura na década de 80. O gado ganhou destaque pela boa produção de leite e adaptabilidade. Com o crescimento do rebanho e padronização no cruzamento, a raça foi oficializada em 1996.

Vaca Girolando

Guzerá

Assim como o Gir, o Guzerá é uma espécie de gado Zebu. Dessa forma, também é um gado resistente e facilmente adaptável. Como diz a própria associação, é uma raça de dupla aptidão (corte e leite). Nas últimas décadas a inserção do Guzerá na área leiteira cresceu rapidamente. Assim como o Gir, a raça foi cruzada com o holandês dando origem ao Guzolando. Hoje a raça já conta com matrizes produzindo mais de 6000 kg por lactação, marca expressiva para uma raça zebu.

Guzerá

Holandês

A raça holandesa é mundialmente famosa como boa produtora de leite. Presume-se que a chegada desse gado ao Brasil tenha ocorrido entre 1530 e 1535, na época das capitanias hereditárias.
Por se tratar de uma raça europeia, não é rústico nem adaptável o suficiente para alguns lugares do Brasil. Prova disso é que 84% dos criadores desse gado estão localizados nos estados de São Paulo, Paraná e Minas Gerais (a maior parte no sul do estado). Entretanto, quando em condições ideais é um exímio produtor de leite com lactações superando frequentemente os 10000 kg. Dentre as raças de gado mais presentes no Brasil, é a melhor produtora de leite.

Vaca Holandesa

Nelore

Como o mais querido entre os produtores de carne do Brasil, o Nelore também é o maior rebanho bovino brasileiro. Corresponde a 85% de todo o gado.

De origem zebu, o Nelore se tornou tão popular pela rusticidade e bom ganho de peso. A pelagem da raça permite que o animal não sofra tanto com o calor. Dessa forma, é ideal para a pecuária extensiva, que corresponde a 90% da cultura de bovinos no Brasil.

Vaca Nelore

Senepol

De origem africana e grande rebanho nos Estados Unidos, o gado Senepol tem uma história recente no Brasil. Os primeiros animais chegaram aqui nos anos 2000. No entanto, foram importados líderes genéticos da marca e as melhores fêmeas da raça. Como era de se esperar, hoje o Brasil já é referência quando o assunto é genética do gado Senepol.

De aptidão única, o Senepol tem aparecido frequentemente nos frigoríficos. Segundo a própria Associação, o gado tem acabamento de carcaça elevado e abate precoce, mesmo a pasto. Por se tratar de uma raça recém-chegada, ainda é pouco difundida, mas promete incomodar os zebus nos próximos anos.

Senepol

Charolês

Proveniente da França, o gado charolês chegou ao Brasil no século XIX, tendo o Rio Grande do Sul como porta de entrada. O crescimento da raça nesse estado foi tão grande, que atualmente o maior rebanho do gado Charolês está em terras gaúchas. Na década de 60, a criação começou a se expandir para estados do norte e nordeste brasileiro. O cruzamento industrial com o Zebu, veio para aumentar a rusticidade desse gado, proveniente de regiões de clima mais ameno. Como pode-se deduzir, o charolês é uma das raças de gado de corte.

Charolês

Sindi

Trazido do Paquistão, o Sindi chegou ao Brasil na década de 50 e, como de costume, foi testado para a finalidade leiteira. Mesmo não sendo um exímio produtor, o gado Sindi pode ser considerado de dupla aptidão. Essa raça, como as outras raças Zebu, se destaca pela rusticidade e resistência. Por isso, pode ser visto frequentemente nas terras mais áridas do país.

Vaca Sindi

Gir Leiteiro

Também de origem Zebu, a história do Gir no Brasil tomou um rumo diferente. Com muito trabalho de melhoramento genético, a raça se tornou ideal para quem busca resistência e boa produção de leite. Hoje, já é reconhecida como o melhor zebuíno para produção de leite em clima tropical. Além disso, traz um leite de alto valor nutricional, aliando bons números de proteína e gordura. É muito encontrada no Sudeste e Centro-Oeste brasileiros, além de algumas partes da Bahia.

Vaca Gir

Quer saber mais sobre esse e muitos outros assuntos do mundo do Agronegócio?

Acompanhe o blog Tecnologia no Campo.

Fique por dentro dos próximos Eventos do ramo.

2018-07-22T17:10:05+00:00 2 Comments

About the Author:

Tecnologia no Campo

2 Comments

  1. Daniel Amorim 26/04/2018 at 13:14 - Reply

    Muito bom, estamos precisando de comentários mais didáticos mesmo. Parabéns.

    • Tecnologia no Campo
      Tecnologia no Campo 07/06/2018 at 01:31 - Reply

      Obrigado, Daniel! Sempre bom receber elogios!

      Se tiver alguma sugestão, é só falar!

Leave A Comment